Aos Anjos




















Escrever me vem como um dom. Mas às vezes tenho como necessidade. Expulsar da alma tudo que sufoca os músculos do coração e talvez deixar fluir no sangue algo que se confunda com o resto de vida que sobra em meio a tanta sujeira. Será que é tão óbvio ou tão comum poesia ser da língua inimiga e dos dedos uma amante? Salivar palavras na mente e deixar que, úmidas, façam sua parte como alimento da alma, é de fato rotina entre poetas. Mas não me encaixo em tal pretensão. Não me castigo por mera decadência existencial. É apenas vontade de submeter os gritos ao espaço que lhes reservo imunes dentro do peito, evitando que evidenciem aquilo que deve permanecer livre dentro da carne.
Minuto a minuto me escorrego nos vultos das canções e me pego andarilho em caminhos sem volta. Essa é a sina de quem permite escravizar-se em linhas, purificar-se em versos. Tenho medo do que me reserva o eco. A continuidade das minhas lembranças me revela sentimentos cujo gosto, ainda não se mistura com o presente.
De certa forma, se tivesse parado naquele ano dos 12 e não continuado a próxima linha do primeiro poema, talvez minhas chances de nutrir uma vida mais real e comum seriam em todo maiores.
O fato é que muito do que construí por virtudes, devo ao que me foi dado como algo entre um escritor e uma gota de orvalho. Ambos completos, ambos simples e nitidamente particulares. Produtos de uma natureza só e de sensibilidade vulnerável.
Ponho em cartas os fragmentos daquilo que acho importante misturar a vida. Se servir de conselho, abrace o vento que te cerca. Junte todos os anjos que lhe permitem sorrir. Os meus são sons, palavras, imagens e sentimentos. E mesmo duvidando do que me chamam, sou em cada poro um pouco de cada. Em cada riso, a porta de entrada para tudo aquilo que posso guardar.

                                                                                        ( Halifas Quaresma)

Comentários

  1. Se não houvessem palavras, restariam os sons...se estes se ausentassem, persistiriam, então, os diamantes a brilhar sutil e imperiosamente no silêncio de uma existencia que segue brilhantemente por isso, por simplesmente haurir da rudezas miúdas do da vida a matéria-prima pra sua poesia. sem comentários brother...beatiful!
    PS: Deixe sempre sua alma falar, jamais a sufoque....beijos e abraços da Mila.

    ResponderExcluir
  2. Ainda que não parou de escrever aos 12, tens um poder de escolher as palavras tão bem!
    É muito bom ver tudo que os anjos te guardam escritos assim em textos tão belos.
    Beijos;)

    ResponderExcluir
  3. Brigado mari, ás vezes vejo como uma escolha confiável ^^

    E Camila é realmente um prazer "ouvir" isso de vc, muuuito obrigado.

    Beijos.

    ResponderExcluir
  4. Escritores, escritores da alma,
    são seres tão diferentes
    por vezes nostálgicos.


    É lindo e difícil.

    ResponderExcluir
  5. Minhas palavras não são suficientes para descrever tamanho contentamento que toca-me a alma. Você me tirou um sorriso do rosto com um post tão incrível que eu me identifico como sendo o reflexo do que sinto ao escrever. Jamais encontrei palavras tão exatas para tão bela descrição, portanto, parabéns. Lindo texto!
    bjs

    ResponderExcluir
  6. Brenda, na verdade eu que agradeço os elogios. Quando escrevi este texto pensei ser único dependente químico das palavras e letras(sentimento comum a todos que escrevem com a alma)mas os anos de esperiência me fizeram enxergar em muitos uma paixão por um mundo de signos que falam mais do que gestos em determinados momentos(e não temo em dizer que você também é destes). Obrigado mesmo pela visita e espero contar com sua presença por aqui.

    Beijos.

    ResponderExcluir
  7. Luanne, ja não é de hoje que gosto de te ver por aqui.^^

    Abraços linda(desses de se sentir por dentro)

    ResponderExcluir
  8. "Escrever me vem como um dom"
    um vício sadio,também...rs

    beiijo
    *.*

    ResponderExcluir
  9. ^^
    Verdade Ana, na verdade essa palavra define muito bem tudo que gira em torno do ato, vício.

    Beijos

    ResponderExcluir
  10. "Salivar palavras na mente e deixar que úmidas, façam sua parte como alimento da alma, é de fato rotina entre poetas. "

    NOSSA!!

    ResponderExcluir
  11. ...e me pego andarilho em caminhos sem volta...
    Que coisa tão de alma isso... sinto minha alma se perder assim sem me dar conta. De repente acontece. Parece que vc também...
    Beijos, querido e uma semana maravilhosa pra vc.

    ResponderExcluir
  12. Obrigado Lua. Sinto sim, exatamente isso.
    Uma ótima semana pra vc também.
    Beijos. ^^

    ResponderExcluir
  13. Olá,adorei o post... os textos são lindos...Estarei te seguindo.
    bjos

    ResponderExcluir
  14. Introspectivo e renovador. Renovador não apenas para você que se reconhece escrevendo, mas para o leitor que se renova em poesia, mesmo em prosa.

    ResponderExcluir
  15. Brigadão Marcos, vlw mesmo. E obrigado Van é um prazer ter você aqui.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Chama