Postagens

Mostrando postagens de Setembro, 2010

Dessa guerra

Imagem
A guerra que outrora vi nascer, Condensada em um peito embriagado com o que bebeu dos horrores vivos, Agora clama por uma bandeira branca que abrace tudo que é ferido. Travada pelos sentidos vãos que sustentavam meus olhos, Esta mágica maneira de dizer não, ao medo, Acabou por destruir campos inteiros, de lábios em risos. Transformando-os na areia cinzenta, umedecida a sangue, que se despedia entre os dedos. A coragem só nasce quando de fato conhecemos os pavores. E esses só servem para que a carne e os ossos sejam um. Não interessa qual conquista se pretende alcançar com tal guerra. Já é o bastante saber que existe paz em algum lugar.
(Halifas Quaresma)

Desjejum

Imagem
Hoje eu acordei com olhos meio nus. Precisavam de alimento que os fizesse lágrimas de bondade e alegria. Meio tonto do sono interminável, acordei com um olhar desprendido, Meio que sem compromisso com o mundo. Eu hoje deslizei pela sensação de acordar. Passei reto pelo velho ritual de olhar no espelho. Fui contando gota a gota, o líquido que vinha dos canos lavar meu corpo, Manchado, de todos os golpes que, enfurecida, a vida me deu até aquela manhã. Descansado em memórias, Tomei centímetros de preocupações e dúvidas no café. Mais o gosto doce que escorria pela boca, não era o açúcar misturando-se a saliva. Eram os grãos de areia, Que da ampulheta, Caiam marcando o passado que me abordava vez ou outra Só pra me lembrar que mesmo velho de amores, Esmagado de erros por todos os poros E estupidamente humanizado de forma adulta, Em algum ponto da minha história a vida era doce. Em algum lugar do ontem, meus pés pisavam a lama sem nojo. Em alguma parte das minhas lembranças as gotas da chuva tinham gosto…

Destas

Imagem
Pelas frases que vejo cair no ato vago de amar Tenho profundo desejo e afeição. Nelas vejo a face mais velha daquilo que escondo no peito, A juventude das novas horas que vejo passar E uma incontrolável vontade gritar e de sustentar no peito, Mais alguns segundos de você...
                                         (Halifas Quaresma)

Voz

Imagem
Se eu não cantar por hoje não se desespere. Ás vezes minhas cordas vocais se acham no direito de calar o que o peito sente. É que depois de dias inteiros de gritos O sal das horas começa a corroer a voz. Mais isso nunca foi motivo para aflição. Ainda posso falar com os dedos...
                                              (Halifas Quaresma)