Postagens

Mostrando postagens de Novembro, 2011

Insiste

Imagem
Ainda visitas meu sono, inconvenientemente sem aviso. Ainda perturba meus ouvidos, insuportavelmente sem assunto. Na distração do meu cerne, convidas, ofegante, minha memória. Para lembrar-me que ainda vagas no silêncio. E que na impalpável vida que tivemos Reside o jamais que aconteceu.

                                                                  (Halifas Quaresma)

Doses de Vôo

Imagem
Os pássaros arrastavam-se pelo ar janela afora. Deslizavam pelos sopros do mundo como se não houvesse motivos para olhar para trás. E planavam na invasão das nuvens. Desenhando sonhos e pulverizando liberdade aos que babavam torpes, invejando a vida sem rotinas que gozavam as aves. Dançando com o vento. Pontuando passo a passo a coreografia ensaiada do viver. O mundo parece ser a eternidade de um infinito impermeável. Onde o cortar das asas no prazer dos sentimentos e das sensações, parece uma obrigação inadiável e preferencialmente imediata. Mesmo que os riscos de uma queda sem volta sejam óbvios o bastante para garantir os pés no chão. Quais dos muros que nascem todos os dias ousam acusarem-se obstáculos para os que voam? Tornam-se, todavia, pausa para descanso. Um simples lugar onde se planeja a próxima paisagem. E arrastar-se no chão, enraizados pelo nítido e pelo perceptível, tona-se a realidade que nos assombra os ossos. De maneira tal, que aceitamos o desconfortável momento que …

Ouse dizer não!

Imagem
Pela manhã, vem a brisa encharcada de luz, afogar meus holocaustos sentimentais, oferecendo-se em alimento.
Vem o porvir, acordar-me da noite meio que por gritos, ou ordens, ou favores.
E arde o sol queimando-me as horas. A vida se inventando frágil e necessária, encara-me, fria, no espelho d’um louco. E assim, vai o sorriso dela, tornando-se a coisa mais indispensável do dia.
                                               (Halifas Quaresma)