1 de jun de 2010

Carta












Doce Senhorita,

Venho por meio desta, pedir-lhe um pouco menos de encanto. Algumas gotas a menos de magia e invasão.
Sei que pode parecer estranho, mas nos conhecemos a tanto e só agora pude entender a gravidade do momento.
Meus olhos à noite, se debruçam em pontos de interrogação. Meu corpo girando pela casa parece não ter base para apoiar seus músculos. Meus pensamentos, compulsoriamente, se entrelaçam no brilho turvo do luar que invade meu leito. Como vê, não sou de todo dotado de tempo e espaço para pensar na sua imagem.
Não sou de todo disposto a me render eternamente a sua dança. Não estou apto a encarar no espelho, teu corpo envolto num vestido de cetim, com prata por todos os bordados, desses de serem traçados por mil borboletas. Não sou de suportar olhos dotados de brilho, pele perfumada de vontades e cabelos aveludados como nuvens de vida.
Sou de aquietar-me debaixo de chuva. Com joelhos em queixo e braços abraçados em pernas. Sou de contemplar o frio e de cortejar as rosas. Sou de me prender na alma. De encarar minhas preces. Sou de viajar dentro das dúvidas (por isso os pedidos de socorro quando me perco).
Por isso Solidão, peço encarecidamente, que suporte o fardo de me ver apenas quando se faz necessário encontro. Peço que acredite quando declaro minhas dores em ter-te presente, e minha alegria quando me vem em boa hora. Não encare como despedida, pois algo assim não é de todo mal. Mas não suporto mais essa overdose que o tempo insiste em remoer.
Sou das horas que me vejo atento ao que sinto e a elas devo respeito.
Não tome lágrimas, pois não me despeço. Apenas peço prudência ao entrar na parte que me chamam peito.
Por enquanto, satisfaço-me em saber de ti velha amiga. Pois nas madrugadas de lamentos e olhos marejados de poeira, já tenho companhia.
Pode ser curto o espaço em minha cama disponível, mas ela não é grande coisa mesmo. Para me fazer carinho e tolerar meus sonhos, a Loucura já me é suficiente. Já me basta.

                                                                                                                  
                                                                                                                      Atenciosamente: Eu

4 comentários:

  1. Estou encantada com seu blog, com a sensibilidades que vc demonstra em seus posts, com a delicadeza masculina de seus sentimentos.
    Vou segui-lo e convido-o para visitar meu blog e tomar um chocolate comigo. Quem sabe, queira seguir-me também. Ficaria honrada.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  2. Lua (espero poder te chamar assim), a honra é toda minha em ter vocêa gora tão pertinho, pois assim que vi seu comentário visitei seu blog e me encantei com um mundo interessante de palavras diretas, sensíveis, e envoltas em um mundo que particularmente me agrada muito.Estou seguindo você. E sim, apareço sempre que poder para tomar uma chocolate contigo.Beijos.

    p.s.:O post sobre o MarquÊs de Sade me encantou.

    ResponderExcluir
  3. Achei esta carta tão linda e cheia de encantamento e delicadeza.
    Uma carta cheia de sentimentos!
    E eu estou me encantando muito com teu blog. É realmente lindo como vc escreve bem. Concordo com o que a Lua disse acima que é realmente lindo ver como um homem demonstra tão bem seus sentimentos ;D
    Beijos

    ResponderExcluir
  4. Queria poder postar aqui o tamanho do meu sorriso ao ler isso. Mas seria arriscado, não caberia nesse quadrinho de comentários. Obrigado Mari e espero mesmo continuar sentindo sua presença aqui, assim como o da Lua alí em cima iluminando tudo(^^)

    Beijos

    ResponderExcluir