16 de jun de 2011

Antes do que se escreve




















Desmembrado punho
Lamenta-se, profundo,
Os únicos desenhos que pôde fazer.

Adormecidos sonhos
Queimados, em papel,
Na pele que se molda ao que se resta escrever.

Letra por letra,
Marteladas vezes,
Penduradas uma a uma
Na parede do que se resta dizer.

E lamentavelmente,
Despedindo-se frio,
Vai-se sangue a sangue
Formando-se ser.

Surgido de dores,
Provocável riso,
Adormenta-se em pontos,
Diz adeus ao branco incontido,
Saudando as cores daquilo que se lê.

                                          (Halifas Quaresma)

3 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. O desenho da palavra é em nós. :)

    Beijo, Halifas.

    ResponderExcluir
  3. Letra por letra,
    Marteladas vezes,
    Penduradas uma a uma
    Na parede do que se resta dizer.

    Sempre haverá o que dizer e o que contar.

    Intenso como sempre Halifas.

    Grande Beijo!

    ResponderExcluir